Seleção de livros recomendados pela Deli. Confira!

*

Ficção:

J. D. Salinger – O Apanhador no Campo de Centeio

o-apanhador-no-campo-de-centeio-capa

Diz-se por aí que toda mulher deve ler As Meninas, de Lygia Fagundes Telles, e que todo homem deve ler O Apanhador no Campo de Centeio, do americano J. D. Salinger. Em certa passagem, o jovem Holden Caulfield, protagonista do livro em questão, afirma que ele não quer ser o tipo de cara que vive conversando sobre quantos quilômetros seu carro faz por litro de gasolina. O Apanhador no Campo de Centeio é um clássico sobre o processo de amadurecer e adaptar-se à sociedade e, acima de tudo, sobre o que perdemos com isso.

botao-comprar


Chuck Palahniuk – Clube da Luta

clube-da-luta-livro

“1st rule: You do not talk about Fight Club. 2nd rule: You DO NOT talk about Fight Club.” Que assim seja, então. Mas se quiser comprar (o livro é sempre melhor que o filme) basta clicar no botão a seguir.

botao-comprar


Graciliano Ramos – Vidas Secas

vidas-secas

Nunca antes na história desse país um escritor especulou de maneira tão lúdica e divertida sobre os pensamentos de um cachorro, o que torna para nós, leitores, o personagem canino um pouco… humano. Por outro lado, os seres humanos da estória são animalizados pela fuga da seca do sertão. Em Vidas Secas, Graciliano Ramos inaugura o romance regionalista nordestino, sem que a narrativa, contudo, perca seu caráter universal.

botao-comprar


Gabriel Garcia Marquez – O Amor nos Tempos do Cólera

o-amor-nos-tempos-do-colera-livro

Em tempos difíceis, de cólera e de guerra, falar de amor é um ato revolucionário, assim como o é este romance do colombiano e prêmio Nobel de literatura Gabriel Garcia Marquez. A publicação de O Amor nos Tempos do Cólera é considerada um marco na valorização da literatura sul-americana, já que, para muitos, o livro conta nada menos que a maior história de amor de todos os tempos.

botao-comprar


William Gibson – Neuromancer

William-Gibson-Wired-Magazine-Image

Hoje em dia é comum vermos o uso do termo “cyberespaço” pra designar qualquer coisa que esteja online. O que muitos não sabem, entretanto, é que esse termo foi originalmente criado por William Gibson no livro Neuromancer, que, por acaso, foi publicado pela primeira vez em 1984, ou seja: muito antes da internet existir. Esta ficção visionária fundou o gênero chamado Cyberpunk e influenciou várias outras obras de sucesso, como Matrix, por exemplo.

botao-comprar


Daniel Galera – Cordilheira

daniel-galera-cordilheira-capa

Cordilheira talvez seja o melhor romance de Daniel Galera, que é considerado um dos mais importantes escritores brasileiros contemporâneos. O livro conta a história de Anita, autora em crise que larga tudo e parte pra Buenos Aires na tentativa de ter um filho. Na Argentina ela encontra um grupo de escritores que vai até as últimas consequências pelos seus personagens. A trama, ao passo que envolve e prende o leitor, reflete sobre questões de gênero, arte e pertencimento.

botao-comprar


*

Não-ficção:

Kenneth Goldsmith – Uncreative Writing

kenneth-goldsmith-uncreative-writingSer criativo é uma qualidade desejável, certo? Não para Kenneth Goldsmith. Segundo o professor da Universidade da Pensilvania, o conceito de criatividade é algo ultrapassado, assim como a ideia de “autoria”. Para ele, não devemos criar mais nada de novo, e sim aprender a negociar (e usar) a vasta quantidade de material que já existe. Leitura essencial pra quem quer compreender melhor o impacto da internet sobre a literatura.

botao-comprar