O coletivo The Jogging e a arte pós-Internet

Cheguei ao The Jogging quando lia um artigo no site Artspace em que é defendida a ideia de estarmos presenciando, nesse exato momento, um novo e revolucionário movimento artístico, chamado de “post-Internet art”. Para Ian Wallace, autor do texto, a arte pós-Internet é caracterizada por não ficar apenas na Web, mas por explorar e criar conexões – muitas vezes absurdas – entre o ambiente virtual e o “mundo real”, como o que foi feito com esses artigos da Wikipedia, por exemplo.

the-jogging-wikipedia-entry-for-papaya“Wikipedia entry for a papaya on a papaya”

the-jogging-wikipedia-article-for-iron“Wikipedia article for iron on an iron”

Já outro artigo questiona se o grupo The Jogging deve ser mesmo levado a sério, o classificando como uma mistura de BuzzFeed, 4chan e “weirdo experimental art”. Polêmicas à parte, o fato é que o coletivo não somente “materializa o digital”, mas também joga diretamente com outros conceitos bem caros ao nosso tempo, como os de reprodução, recontextualização e remixagem. Tudo no site é feito de elementos pré-existentes, que são apenas tirados do seu contexto usual e recombinados.

the-jogging-cell-payphone“(Cell) Payphone”

the-jogging-iwood

“iWood”

the-jogging-punk-glock

“Punk Glock”

the-jogging-true-love

“True Love x Tinder Campaign”

Enquanto os Beastie Boys vão à Justiça processar a GoldieBlox, marca de brinquedos que fez uma paródia com uma de suas músicas, o Jogging faz o oposto: cria arte e pede para que os outros se apropriem dela, vendo mais valor na capacidade do objeto de ser modificado e se reproduzir. Entre as duas atitudes vai uma avenida e muitas discussões contemporâneas. A meu ver, não há nada mais queima filme pra uma marca/banda/artista do que querer impedir que as pessoas participem ativamente de suas criações. Os defensores estritos de direitos autorais deveriam se conformar: esse é um caminho que não tem volta.

lars-von-trier-fuck
Nymphomaniac é um filme muito estranho. A princípio promove uma personagem que celebra o sexo livre, o direito de ser quem ela quer, mas ao mesmo tempo martela lições de moral extremamente antiquadas e bestas. A única coisa que a gente realmente…
original_publicidade-old-spice
baby, light my fire O mercado consumidor está cada vez diversificado e é uma constante a criação de novas marcas para atender a tantas ramificações do mesmo. Sim, eu sei que parece mais um artigo com "puta sacadas" óbvias de…

Brasileiro residente em Berlim. Viciado em música, arte e futebol. Coautor do livro 'D4', de contos e poesias, publicado pela Editora Multifoco, e Marketing Campaign Manager na empresa upday.com