Anúncios nada a ver e mitos da publicidade online

Depois de vir morar fora uma das minhas principais fontes pra pesquisar música passou a ser o Spotify. Não exatamente pelo tamanho do catálogo que oferece, mas acima de tudo pelas músicas e bandas que me recomenda. Acho que a maioria de nós já passou por experiência semelhante no YouTube: escolher um vídeo de música, ouvir e depois ir navegando pelos vídeos recomendados. O problema é que no YouTube gasta-se horas com isso – e não se encontra nada que agrade.

(Update: este artigo foi escrito antes do Spotify ser disponibilizado no Brasil. Em 28/05/2014 o serviço, pra sorte dos brazucas, chegou ao país.)

Por que, então, esse vídeo foi recomendado? Ninguém sabe exatamente como funciona, mas o fato é que o YouTube possui um algoritmo que julga que se agora ouço Sébastien Tellier também devo gostar de Ben Pearce, e vice-versa, e em todas as outras variantes de artistas. Através dos conteúdos que acessei, alguma equação traça meu perfil e não apenas recomenda vídeos, mas também produtos.

Saindo do YouTube, pense na quantidade de anúncios que recebe no Facebook, e lembre quantos deles realmente chamaram sua atenção, e quantos te ofereceram coisas que você realmente gosta. Poucos. O mesmo exemplo pode ser aplicado aos anúncios da rede de display do Google e aos related artists do AllMusic. Falham em oferecer a coisa certa.

Os algoritmos que essas grandes empresas usam não dão conta da nossa complexidade, e acabam atingindo um público mais ou menos aleatório. Apesar disso, o que se vende no mercado é “esse anúncio será exibido pra um nicho que tem tudo a ver com ele”. A publicidade feita online não é mais segmentada nem eficiente do que a realizada em programas de TV a cabo ou em revistas como a Playboy. Talvez ainda não dê pra dispensar a presença nesses gigantes, mas uma boa estratégia de rede de links e posts patrocinados só pode ser feita por gente – e, em muitos casos, funciona melhor.

rebecca-morgan_WitchMan
AAAAH-HA-HA-HA-HA-HA Rebecca Morgan expõe "no church in the wild" na galeria Asya Geinsberg. A série pega emprestado o título da música de Jay-Z e Kanye West pra evocar o paganismo diante ao endeusamento da beleza contemporânea, através do "belo" ilustrado…
herakut-children-painting-avatar
Formado pela dupla de artistas gráficos Jasmin Siddiqui e Falk Lehman, Herakut é uma assinatura reconhecida nos  painéis mundo afora por seus personagens infantis ou infatilizados, cheios de cor. O realismo imperfeito e poluído da dupla, difere o traço deles do qualquer…

Brasileiro residente em Berlim. Viciado em música, arte e futebol. Coautor do livro 'D4', de contos e poesias, publicado pela Editora Multifoco, e Marketing Campaign Manager na empresa upday.com